Mesa de Bar

Lugar pra se falar sobre tudo e sobre o nada.

Minha foto
Nome:
Local: Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil

Sóbria, a maior parte do tempo. Na mesa de um bar me torno mais corajosa, mais sensível, mais emotiva, mais generosa. No bar e com umas cervejas a mais, as dúvidas se dissipam, as certezas afloram, as tristezas caem fora e a alegria reina. Sim, na mesa de um bar eu sou uma pessoa melhor do que fora dela.

sábado, março 08, 2014

Meu pai

Ele morreu. Ainda me custa a acreditar. Não o verei mais, não verei mais seus olhos azuis, não ouvirei mais sua voz, não terei mais sua sensatez e experiência a me orientar. Não mais andaremos devagarinho, de braços dados, subindo e descendo com cuidado calçadas, degraus e meio-fio. Meu pai.

Ainda durante sua internação no hospital, implorei a Deus que o conservasse mais uns anos junto a nós. Mesmo que apenas dois ou três anos, mesmo que numa cadeira de rodas.

E depois, consternada, procurei motivos para ser feliz e agradecida pela vida que ele teve, que ele pôde ter. E consigo me manter serena pensando que tenho muito a agradecer. Agradeço por ele ter vivido 73 anos, mais do que os seus próprios pais. Agradeço por ele nunca ter passado pelo desgosto de perder um filho. Agradeço por ele ter vivido o suficiente para ver seus três filhos adultos, com a vida encaminhada, todos formados, casados e independentes. Agradeço por ele ter conhecido sete netos, filhos dos seus três filhos, todos saudáveis e inteligentes. Por ele ter construído a casa que planejou, do jeito que queria e por ter desfrutado dela por alguns anos no final da sua vida. Por ele nunca ter enfrentado fome, miséria, desemprego duradouro. Por ter sido reconhecido, ainda em vida, pelos seus pares, como o brilhante profissional que foi. Por ele ter trabalhado sempre na profissão que abraçou e escolheu. Por ele ter tido tempo para se aposentar e ter dignidade na velhice. Pela boa qualidade de vida que teve em seus últimos anos, fruto do seu trabalho e seu sacrifício ao longo de toda a vida. Por ele ter tido um jardim no qual se entretinha e do qual se orgulhava. Por sua doença ter sido breve e sua morte sem dor e sem agonia. Agradeço por ele ter a consciência de ter sido amado e respeitado pela sua mulher e filhos e por ele saber que nós também tínhamos a consciência do quanto ele nos amava.

1 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Linda homenagem. Com certeza ele vai sentir do outro lado, toda a emoção que você pos nesse texto. Que ele tenha luz nesse novo plano. Bjs. Robson/SJCampos

3/10/2014 8:33 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home