Mesa de Bar

Lugar pra se falar sobre tudo e sobre o nada.

Minha foto
Nome:
Local: Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil

Sóbria, a maior parte do tempo. Na mesa de um bar me torno mais corajosa, mais sensível, mais emotiva, mais generosa. No bar e com umas cervejas a mais, as dúvidas se dissipam, as certezas afloram, as tristezas caem fora e a alegria reina. Sim, na mesa de um bar eu sou uma pessoa melhor do que fora dela.

sexta-feira, outubro 15, 2010

O doidinho da cidade

Cada cidadezinha do interior tem um doidinho de estimação. Um louco manso e pacífico conhecido por todos e cuja família tem a consideração, respeito e compaixão das demais. De manhã e à tarde passeia nas ruas e pracinhas, conversa com quem lhe dá atenção, entra e sai do comércio local, senta no meio fio e olha para o nada. Tranquilo.

E quando chegam estranhos à cidadezinha, ele também é tomado por imensa curiosidade e intensa vontade de espantar o tédio. E vem conversar. Sendo você um forasteiro benigno e gentil, o quê fazer? Converse com ele, claro. Faça perguntas simples. Dê respostas simples. Ofereça uma bala. Ria quando ele rir. Dê um aperto de mão a cada vez que ele estender a sua. Sorria. Trate-o bem. Faça qualquer coisa. Mas resista, resista com todas as suas forças, por maior que seja a curiosidade, a pedir que declame um verso, caso ele se declare poeta.

Porque, se ele começar, você tá lascado. É impossível se livrar de um doidinho-poeta que quer audiência externa. Ele não vai parar de declamar poemas nas próximas 24 horas. E você, esteja certo disso, não vai aguentar ouvir nem por meia hora, quando toda a sua benignidade e gentileza já foram pro saco e os manicômios começam a te parecer uma alternativa simpática.

Nesse caso, dê uma desculpa e corra.

1 Comments:

Blogger Keylla Amelotti said...

Hahahahahahahahaha.
Na cidade onde morei dos 7 aos 17, tinha 4 doidinhos. Cada um teve seu apogeu em épocas diferentes. O primeiro perdeu a mãe numa enchente, e sempre corria pra bater nos moleques que o provocavam, gritando: "Ô, Chiquinho, a ponte caiiiiuuu". O segundo era um doidinho dançarino, e perigo era ele te pegar distraída e te botar pra dançar junto dele. O terceiro era o irmão caçula do segundo, e era um doidinho extremamente comunicativo, tanto que acabou arrumando um emprego de entregador de pizza (sabia onde morava absolutamente todo mundo na cidade), e depois disso parece que "desendoideceu" um pouco. A quarta, que beleza, jogava charme pra cima de todos os homens que via, e costumava "correr" com as mulheres que ameaçavam seu posto de conquistadora.
Uma cidadezinha sem o(s) seu(s) doidinho(s) não tem o mesmo charme.

10/15/2010 4:17 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home