Mesa de Bar

Lugar pra se falar sobre tudo e sobre o nada.

Minha foto
Nome:
Local: Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil

Sóbria, a maior parte do tempo. Na mesa de um bar me torno mais corajosa, mais sensível, mais emotiva, mais generosa. No bar e com umas cervejas a mais, as dúvidas se dissipam, as certezas afloram, as tristezas caem fora e a alegria reina. Sim, na mesa de um bar eu sou uma pessoa melhor do que fora dela.

quinta-feira, dezembro 02, 2010

Casório

Casar na Igreja Católica Apostólica Pedófila Romana?

Não, enquanto o Ratzinger for Papa. Vamos esperar pelo próximo e aí, quem sabe?

Nem é só o Papa. Até gostaríamos de fazer alguma coisa religiosa porque, mesmo que nenhum de nós siga nenhuma religião, também não somos propriamente ateus, no sentido estrito de negar a existência do divino. Acreditamos que possa haver algo que não sabemos bem o que é, embora duvidemos que seja aquilo que as igrejas atuais pregam. Enfim. Até gostaríamos de fazer uma celebração religiosa e nesse caso teria que ser na Igreja Católica Romana porque é a única que conhecemos relativamente bem, o suficiente para poder falar mal com propriedade. Se já seria um pouco estranho casar nela, não faria sentido nenhum casar em qualquer outra.

Mas as exigências nos constrangeram. A taxa é ainda mais cara que o cartório. Tem que fazer um curso de noivos cuja data é incerta e não-sabida e teríamos que percorrer paróquias cidade a fora para conseguir fazê-lo a tempo para o início do ano que vem. E, acima de tudo, querem um documento chamado Batistério, que é uma certidão de batizado atualizada (não pode ter mais de 6 meses). Ora, o Boêmio foi batizado em Teófilo Otoni há pelo menos três décadas e eu fui batizada numa cidadezinha do Alentejo chamada Vendas Novas, há quase quatro. E aí, como é que arruma o tal Batistério? Vou ter que incomodar minha avó de 90 anos para sair de Lisboa, viajar, pedir o documento, pagar taxa, esperar ficar pronto e mandar pra mim? Ou incomodar algum outro parente com quem eu tenho pouco contato e menor intimidade? Ficou difícil.

Dificultar as coisas para os que já não estavam lá muito empolgados em fazê-las, é, na verdade, facilitar para que desistam. Então já desistimos. Vai ser só no civil mesmo.

10 Comments:

Blogger GH of Xaos said...

Gaste o dinheiro do casamento religioso na festa! Vale mais a pena! =D

12/02/2010 10:24 PM  
Blogger MegMarques said...

Vamos gastar é numa viagem pras Europa! Vale mais a pena ainda!

12/03/2010 8:33 AM  
Blogger Viviane Prado said...

Oi Linda!
Obrigada por ter passado por nosso blog! Também adoramos conhecer o seu cantinho.
Bjus

12/03/2010 9:40 AM  
Blogger Livia e Rodrigo said...

Meg, comcordo com vc em gênero, número e grau. Eu e Rodrigo fizemos exatamente isso. Uma celebração civil simples com uma bênção de um ex-padre e investimos a maior parte da grana numa super viagem pras "Europa". Valeu a pena demais e nem por isso me sinto mais ou menos casada!! Parabéns pela decisão e pelo casório!!!

12/03/2010 9:49 AM  
OpenID chaverdecomlimao said...

Eu e o marido vamos casar um dia (sem data definida), mas já combinamos: nada de cerimônias nem festa. Vamos casar na segunda-feira pra pegar os 5 dias cheios da licença e viajar pelas "oropa", mediterrâneo, caribe, seja lá onde for. Mas o investimento vai ser na viagem, porque festa é pros outros aproveitarem. E ver o dinheiro ir embora. E ganhar presentes porcaria.

12/03/2010 10:40 AM  
Blogger Rubão said...

É nóis!

12/03/2010 2:27 PM  
Anonymous Luiza said...

Oxe! Tem nem o que discutir...sou bem assim de acreditar mas sem ter convicção no que acredito, mas imagino e sinto que se Deus é Deus, ele está acima da Igreja Católica, Evangélica, Muçulmana etc. E se "Deus é amor" e vocês exalam amor, sem dúvida, ele vai estar com vocês até no cartório!!!!!
Beijos

12/04/2010 8:10 AM  
Anonymous Leo said...

Só discordo de um detalhe em um comentário. Quando me casei, ganhei muitos presentes bacanas e, principalmente, senti que muitos eram a representação do carinho e votos sinceros de felicidade da parte de meus amigos. Mesmo os mais humildes, não os taxaria de porcaria.
E vocês ficam muito bem, com Igreja, sem igreja, com festa, sem festa.
Bjim.

12/06/2010 11:28 AM  
Anonymous Helê said...

Olha que engraçado, Meg: justo eu que chego a mudar de calçada quando aparece uma flor, tive como impulso dizer "Peraí, pensa melhor", hohoho. Eu sou uma farsa, eu sei. E se tem uma coisa que eu não sou é católica. Mas tem o que o Leo disse aí em cima, sobre os presentes, e principalmente sobre o ritual. Todas as vezes na minha vida em que me deparei com esses ritos sagrados eu parei para me perguntar detidamente o que aquilo simbolizava pra mim, e procurei recirá-los à minha maneira. Assim eu casei (no circo, by the way - outra boa frase pra uma conversa morna) e batizei minha filha numa cerimônia ecumênica, e foram momentos preciosos. Querendo, eu estendo a conversa, mas fico por aqui senão comentário vira post.:-)
Beijos e sejam felizes, anyway.

12/08/2010 11:51 AM  
Blogger Vivien Morgato : said...

Quando casei, apesar de nao ser ateia, nao tinha religiao.Nem cogitei casar em nenhuma igreja.Fui batizada, primeira comunhao, blablab, mas nao ia e nem tinha sentido pra mim na epoca.
Entao. cartorio. E so porque fomos pressionados, porque eu nao queria nem isso.

12/13/2010 10:04 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home