Mesa de Bar

Lugar pra se falar sobre tudo e sobre o nada.

Minha foto
Nome:
Local: Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil

Sóbria, a maior parte do tempo. Na mesa de um bar me torno mais corajosa, mais sensível, mais emotiva, mais generosa. No bar e com umas cervejas a mais, as dúvidas se dissipam, as certezas afloram, as tristezas caem fora e a alegria reina. Sim, na mesa de um bar eu sou uma pessoa melhor do que fora dela.

sexta-feira, abril 25, 2008

No meio do mato

Por falar em trabalho ingrato, nem tudo são flores quando faço trabalho de campo. Há também espinhos e carrapichos. Nesta última viagem, por exemplo, a casa que nos serve de alojamento estava infestada de ratos e morcegos. Tínhamos que sentar à mesa com as pernas cruzadas sobre a cadeira e a cabeça baixada sobre o prato de comida porque uns corriam pelo chão e outros davam rasantes pelo ar. Mas isso nem é o pior.

Medonhos mesmo são os seres humanos. A vez em que tive mais medo no meio do mato (tirando o ataque de abelhas, mas conto esse caso em outro momento) foi quando topei com um grupo de jagunços mal-encarados que veio assuntar o que eu fazia. Estávamos no médio Jequitinhonha, região de muito garimpo clandestino onde o povo não é pra graças e mata só pra ver pra que lado o outro cai, a uns bons 50 km de estrada de terra do lugarejo mais próximo. Paramos na beira do rio e eu fui começar a coleta quando vários motoqueiros aparecem do nada e cercam o carro com as motos. Eu já estava no rio, com água pelos joelhos e quando olho pra margem, estão lá sete sujeitos de braços cruzados, cara amarrada, olhando fixamente para mim. Não vi nenhuma arma de fogo, o que não quer dizer que eles não as tivessem.

Fui fazendo as contas mentalmente: “três deles dão conta do motorista (que era grande e parrudo), um só basta pra liquidar o R. (o estagiário magrelo que me acompanhava), outro é suficiente para acabar comigo e ainda sobram dois.” Cheguei a cogitar em me atirar à água e ir a nado até a Bahia, apenas uns 100 km de corredeiras. Aí, fiz a minha cara mais boazinha, dei o meu sorriso mais meigo, e fui puxando papo, explicando o que estava fazendo, nada de ouro nem pedras, só bichinhos, só pesquisa, etc. Eles foram relaxando, descruzaram os braços, alguns chegaram a ensaiar um sorrisinho, perceberam que eu era inofensiva, mas não deram nenhuma explicação sobre quem eram ou o que faziam ali naquele ermo. Provavelmente estavam a serviço dos donos das terras ou de um grileiro, sei lá.

Na volta, ainda fizeram questão de acompanhar o nosso carro por cerca de 20 km.

9 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Na charneca, isso não se vê.

4/25/2008 1:18 PM  
Anonymous Anônimo said...

Como faziam para dormir?

4/25/2008 4:50 PM  
Blogger Valentina said...

É desse bicho que eu tenho mais medo , Meg, do bicho-homem.
K

4/25/2008 6:29 PM  
Anonymous Alena said...

Não gostei, ui!

4/26/2008 2:23 PM  
Anonymous Alena said...

Nesta fase, então... estou querendo convocação para deitar num resort...

4/26/2008 2:23 PM  
Blogger Muxibox said...

Credo! Que medo! Não sei o que eu iria fazer!

4/27/2008 10:15 AM  
Blogger Ivich said...

É por essas e outras que prefiro trabalhar quietinha em uma sala...

4/28/2008 12:23 PM  
Anonymous Simone said...

Nú! Terror e pânico!

4/28/2008 4:04 PM  
Blogger MegMarques said...

Eu dormia com a cabeça tapada pelos lençóis e a luz acesa.

K., eu também. No campo não tenho medo de cobras, nem aranhas, convivo com os morcegos e ratos e tudo bem. Mas me pélo de medo de encontrar gente.

Alena, vc e a bebê merecem um resort de luxo, 5 estrelas, pra ela já nascer no bem-bom!

Muxi, Simone, Ivich, a palavra mais adequada para o que eu senti: c*gaço.

4/29/2008 8:28 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home