Mesa de Bar

Lugar pra se falar sobre tudo e sobre o nada.

Minha foto
Nome:
Local: Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil

Sóbria, a maior parte do tempo. Na mesa de um bar me torno mais corajosa, mais sensível, mais emotiva, mais generosa. No bar e com umas cervejas a mais, as dúvidas se dissipam, as certezas afloram, as tristezas caem fora e a alegria reina. Sim, na mesa de um bar eu sou uma pessoa melhor do que fora dela.

sábado, janeiro 12, 2008

Filmes do começo do fim de semana

A Coragem de Amar - Não é o melhor do diretor Lelouch, mas não chega a ser ruim.
Do que se trata? Bem, aquela velha história boy meets girl, eles gostam um do outro, depois ela deixa de gostar, depois ele gosta de outra que gosta dele de verdade, depois ela volta a gostar dele, mas aí ele já não gosta mais; enquanto isso a irmã dela também gosta de quem não gosta dela, mas que vai aprender a gostar quando deixar de gostar de quem não gosta dele. E pra dar tempero nessa mistura requentada eles estão fazendo um filme em que os atores representam a si mesmos. Metalinguagem. É tendência, né? Então ainda vamos ter uns bons pares de filmes assim até inventarem outra coisa.

A Vida Secreta das Palavras, de Isabel Coixet - It’s so beautiful, but also boring. Trata do velho mito de que o amor redime tudo, cura qualquer trauma, resolve todas as paradas. Se vc já tem idade para não acreditar em papai noel vai achar meio bobo, embora o filme tenha momentos bastante intensos. E que título é esse? Nada a ver com nada. Quer dizer, deve ter a ver com o fato de que ele tava cego e ela surda, mas eu precisaria de psicofilosofar um pouco mais e beber umas cervejas para achar a conexão.

Há mais tempo, no filme O Poeta da Vila, tive uma das grandes surpresas da minha vida ao ver a Aracy de Almeida sendo retratada como uma moça bonita e bem-humorada. É que eu achava que ela já tinha nascido velha, feia e antipática, tal qual todos a conhecemos naquele terrível show de calouros do Sílvi* Sant*s. Lembrei de procurar uma foto dela quando jovem, e realmente, se não chegava a ser uma beldade, era de fato um rosto agradável.
O tempo pode ser cruel.

3 Comments:

Anonymous Flávia said...

Ai Meg, preciso passar por aqui mais vezes, viu?
Adorei suas não resoluções de ano-novo, se parecem muito com as minhas;)
O amor nos tempos do Cólera também é um de meus livros prediletos!! Não acredito que detonaram com o filme, afff.Bom saber pra nem pensar em assistir.
Eu irei imprimir a Reunião da BHTrans pra mostrar ao marídeo; Ele sempre imagina a mesma coisa, rsrs. Só pode né? Pelo monte de c*g*da que eles andam fazendo em BH..
Beijocas!!!

1/12/2008 7:02 PM  
Blogger MegMarques said...

Flávia, na verdade eles não detonaram tanto assim com o filme, eu é que reagi de uma maneira muito passional quando vi que não era exatamente como eu esperava (e por que seria?).

Em relação às resoluções, acho que a principal delas é: não levar nenhuma muito a sério!

beijos

1/13/2008 4:05 PM  
Blogger ericog.alves said...

Eu gostava do show de calouros... hehehehe!!! Tinha o Sergio Malandro, Vagner Montes, Sônia Lima, o Bozo e muitos outros palhaços legais!
Bjs

1/13/2008 6:34 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home