Mesa de Bar

Lugar pra se falar sobre tudo e sobre o nada.

Minha foto
Nome:
Local: Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil

Sóbria, a maior parte do tempo. Na mesa de um bar me torno mais corajosa, mais sensível, mais emotiva, mais generosa. No bar e com umas cervejas a mais, as dúvidas se dissipam, as certezas afloram, as tristezas caem fora e a alegria reina. Sim, na mesa de um bar eu sou uma pessoa melhor do que fora dela.

quarta-feira, fevereiro 08, 2012

Dia 21: O melhor livro que li este ano (2012)

O Pêndulo de Foucault, de Umberto Eco.





O livro já é antiguinho, foi lançado em 1988, o que significa um certo atraso da minha parte. Mas como estou esperando minha mãe terminar o último lançamento do mesmo autor (O cemitério de Praga), resolvi voltar no tempo e ler finalmente a única obra de ficção de U. Eco que me escapava.

Com exceção d'A Misteriosa Chama da Rainha Loana, que é mais ou menos, toda a ficção de U. Eco é excelente. Escreve excepcionalmente bem; inventa enredos complicados, mas envolventes e divertidos; cria personagens adoráveis e destila erudição. Como diria Nelson Rodrigues (o escritor, não o meu cãozinho): " pinga gênio em cada frase".

Sociedades fechadas e seus segredos são quase uma obsessão para Eco. Neste romance, os templários, os maçons, os rosacruzes, os jesuítas, as religiões obscuras, os alquimistas, os esotéricos, os cabalistas; toda essa gente é jogada num mesmo caldeirão onde se forja uma gigantesca Teoria da Conspiração: um jogo criado por três colegas de trabalho de uma editora picareta para espantar o tédio. E com a ajuda de uma grande novidade da época: um computador pessoal capaz de fazer conexões aleatórias entre quaisquer fatos!

Eco tira um grande sarro de todas as organizações e pessoas que se levam realmente a sério, de tudo e todos o que se propõem, de antemão, a "mudar o mundo". Grandes mistérios e segredos e toda a mixórdia ocultista são apresentados como bons motivos para dar gargalhadas.

Há no livro uma antecipação de Dan Brown, mas com a diferença fundamental: enquanto D. Brown meio que leva a sério a gororoba cultural que descreve, U. Eco dá risada apresentando o lado grotesco da nossa sede pelo não-revelado.

3 Comments:

Blogger Rubão said...

Isso porque ele trabalha para estas seitas, com o objetivo de ocultar a existência delas e ridicularizar os que perseguidores da verdade!

No mais, alvíssaras! Meg´s back.
bj
r

2/08/2012 2:22 PM  
Anonymous Ana Lucia said...

Que bom que vc voltou!

2/08/2012 6:51 PM  
Blogger Tina Lopes said...

Preciso reler, era muito nova quando o li - bem no lançamento e só sei que gostei muito. Lembra do vídeo no Panthéon? Vai lá também, se emocionar. ;)

2/09/2012 10:17 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home