Mesa de Bar

Lugar pra se falar sobre tudo e sobre o nada.

Minha foto
Nome:
Local: Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil

Sóbria, a maior parte do tempo. Na mesa de um bar me torno mais corajosa, mais sensível, mais emotiva, mais generosa. No bar e com umas cervejas a mais, as dúvidas se dissipam, as certezas afloram, as tristezas caem fora e a alegria reina. Sim, na mesa de um bar eu sou uma pessoa melhor do que fora dela.

segunda-feira, abril 30, 2012

Itinerário Parisiense IX

Décimo dia:


Cidade das Ciências e da Indústria, quase na periferia de Paris. Para quem está com criança é um programão pra passar o dia inteiro, exposições temáticas muito bem boladas e cheio de atividades interativas. Só adultos, é meio roubada. Fomos assistir um filme 3D sobre pterodáctilos na famosa Geoda e... dormimos. Fomos assistir a apresentação do Planetário e... dormimos.


Museu do Louvre- voltamos ao Louvre no fim da tarde somente para ver o livro das "Ricas Horas do Duque de Berry", cuja exposição tinha começado no dia anterior. Amei!






À noite, teatro do Palácio do Congresso para assistir ao espetáculo de dança da companhia Bejárt Ballet Lausane. Ficamos impressionadíssimos com o Bolero de Ravel, quase entrei em transe, hipnotizada pelo excelente bailarino e pela música maravilhosa.


///---///---///---///---///


Décimo-primeiro dia:


Mercado das Pulgas: fomos bem cedo e gostamos e gastamos muito. Já não é mais um mercado das pulgas no sentido tradicional, pois há várias seções enormes com eletro/eletrônicos feitos na China, utensílios modernos para casa, roupas novas, sapatos, artesanato, etc. Mas há ainda também as barracas de brechó, louças, bijuterias, quiquilharias, velhas, usadas, antigas.  E encontram-se também lojas grandes e bem montadas de verdadeiros antiquários, onde tudo é lindíssimo e caríssimo.


Museu Delacroix: como boa parte dos museus dedicados a um único artista, achamos que não valeu tanto a pena. O melhor de Delacroix está espalhado pelos outros grandes museus e este apresenta basicamente as obras dos tempos de formação, retratos de amigos, estudos e rascunhos. Podemos viver sem isso.


Ig. St Germain-de-Prés: a mais antiga de Paris.


Passeio pelo Boulevard St. Germain para localizar os famosos Café des Deux Magots, Café de Flore e a Brasserie Lipp. Nem tomamos café lá, a fama deixou os preços absurdos e as mesas lotadas. Mas foi nossa minúscula homenagem a Sartre e Simone, Godard e Truffaut.


Arco do Triunfo: acho que vale muito a pena entrar lá dentro. Tem um museu com a história do Arco e uma vista linda lá de cima. Obviamente não é tão alto como a Torre de Montparnasse, ou o Domo de Montmartre, mas dá pra ver os telhados de Paris mais de pertinho.


Champs Elisées: passeio para ver as vitrines de luxo e ficar um pouquinho mais pobre.


Por fim, ao pôr-do-sol, fomos dar um apaixonado beijo cinematográfico na Pont Neuf. 
Fantasia romântica minha. 
Mon amour relutou: "Mas a gente vai lá só pra dar um beijo?!" 
Deixei claro: "Amore, eu vou beijar na Pont Neuf hoje. Espero que você esteja lá também."



0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home